Buraco na camada de ozônio é o 2º menor em duas décadas na Antártica

A área média do buraco na camada de ozônio sobre a Antártica, no polo sul do planeta, recuou em 2012 ao segundo menor tamanho registrado em duas décadas, segundo informações da agência espacial americana (Nasa) e da Administração Nacional dos Oceanos e da Atmosfera nos Estados Unidos (NOAA).

A camada de ozônio funciona como uma proteção natural da Terra contra a radiação ultravioleta, um dos agentes causadores do câncer de pele, de acordo com a Nasa. O tamanho médio do furo em 2012 foi de 17,9 milhões de km², 27,5% menor que o buraco ocorrido no ano passado, que atingiu 24,7 milhões de km², o equivalente ao território do Brasil, do Canadá e dos EUA somados.

Cientistas da Nasa e do NOAA atribuem o fenômeno a flutuações naturais no padrão do clima da região, que elevaram as temperaturas na estratosfera sobre a Antártica neste ano.

O menor buraco na camada de ozônio nos últimos 20 anos foi registrado em 2002, com 12 milhões de km², de acordo com a agência espacial americana. Já o maior ocorreu em 2006, quando chegou a 26,6 milhões de km², tamanho 32,7% maior do que o ocorrido neste ano.

O buraco na camada de ozônio começou a ser constatado por cientistas na década de 1980. A agência americana prevê que o ozônio não voltará ao seu estado anterior a esta década antes do ano 2065

Mais quente
O tamanho menor neste ano ocorreu devido a temperaturas mais altas na estratosfera da Antártica, mais do que pela redução de poluentes lançados no ar, ponderou o cientista atmosférico Paul Newman, da Nasa, para o site da agência.

"O orifício é causado principalmente por produtos químicos lançados na atmosfera pelos seres humanos, e estes produtos ainda podem ser medidos na estratosfera da Antártica", disse Newman. O buraco é uma região com concentração baixíssima de ozônio situada na estratosfera da Antártica, fenômeno que acontece todos os anos na primavera, entre agosto e outubro, de acordo com a Nasa.

"Aconteceu de estar mais quente neste ano na atmosfera sobre a Antártica, e nós não enxergamos mais tanta destruição do ozônio quanto ocorreu no ano passado, quando estava mais frio", disse o cientista Jim Butler, da NOAA. Ele não descarta que a redução na emissão de poluentes esteja ajudando a preservar o ozônio.

Há 25 anos, um acordo internacional conhecido como Protocolo de Montreal foi assinado por vários países para controlar a emissão de gases que atacam a camada de ozônio, como os CFC (clorofluorcarbono).

Fonte: G1.com

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!