Primeiro dia da trégua na Síria teve 146 mortes, diz oposição

 

A oposição síria afirma que pelo menos 146 pessoas, muitas delas civis, morreram no país durante a sexta-feira, apesar do cessar-fogo de quatro dias aceito por ambas as partes por ocasião da festa muçulmana do sacrifício.

Segundo informou o opositor Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH) através de comunicado, 53 civis morreram em todo o país, além de 50 rebeldes e 43 soldados das tropas governamentais.

A maioria das vítimas foi registrada na província de Aleppo, com 34 mortos, e na periferia de Damasco, com 30, onde houve duros combates entre as Forças Armadas sírias e grupos rebeldes.

A explosão de um carro-bomba de grande potência em um bairro de Damasco durante a tarde de ontem marcou o ponto culminante da alta da violência, apesar de a sexta-feira ter iniciado com relativa calma.

Nesse atentado, pelo menos cinco pessoas morreram e 32 ficaram feridas no bairro de Def al Shuk, segundo a televisão estatal.

O cessar-fogo patrocinado pelo mediador internacional para a Síria, Lakhdar Brahimi, fora aceito nesta semana com condições pelo governo e pela maior parte das facções e milícias rebeldes.

No entanto, pouco após sua entrada em vigor, o Exército sírio acusou os "grupos terroristas armados" de terem violado o cessar-fogo em várias províncias do país, enquanto assegurou que suas tropas respeitaram a trégua mas se viram "obrigadas" a responder aos ataques.

Por outro lado, o presidente do OSDH, Rami Abderrahman, reconheceu em declarações à agência Efe que "a trégua afundou".

Ainda assim, supostamente o cessar-fogo segue em vigor, e Brahimi não fez até agora nenhuma avaliação pública sobre o descumprimento da trégua, que não conta com mecanismos de supervisão.

 

Fonte: Folha S.Paulo

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!